Previna-se contra o câncer de próstata

O câncer de próstata - glândula do sistema reprodutor masculino que fica localizada abaixo da bexiga e tem a função de ajudar o espermatozoide a fecundar o óvulo - é o tumor mais comum no homem acima de 50 anos, depois do câncer de pele não-melanoma. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) demonstram que em um ano são diagnosticados aproximadamente 69 mil novos casos deste tipo de câncer no Brasil. Isso corresponde a 22,8% dos casos de câncer no sexo masculino.

Segundo o médico Álvaro Alexandre Dias Bosco, urologista da Amato Instituto de Medicina Avançada, as chances de aparecimento desta doença aumentam com o envelhecimento e o principal fator de risco é o histórico familiar (familiares de primeiro grau acometidos pela doença aumentam ainda mais a chance de o paciente vir a apresentar o diagnóstico). Fatores hormonais e ambientais e certos hábitos alimentares, como dieta rica em gorduras e pobre em verduras, vegetais e frutas, sedentarismo e excesso de peso também elevam os perigos. Estudos indicam também que homens negros são mais vulneráveis à doença. 

Além de hospitais ligados ao SUS (Sistema Único de Saúde) e hospitais e clínicas particulares, a população masculina pode se prevenir e tratar a doença em centros especializados, como é o caso do Centro de Referência em Saúde do Homem, em funcionamento em São Paulo desde 2008. Porém, para passar por consulta nesse local, o paciente deve ser encaminhamento pela rede básica de saúde. O local oferece também atendimento especializado para incentivar os homens a tomar os cuidados básicos de prevenção das principais doenças, mantendo cuidados mínimos e realizando check-ups de forma periódica, pelo menos uma vez ao ano.

De acordo com Claudio Murta, médico urologista e coordenador do Centro de Referência em Saúde do Homem, atualmente são atendidos no local cerca de 2,5 mil pacientes por mês, dos quais 30% são casos de câncer de próstata. Após o diagnóstico da doença, o tratamento em sua fase inicial é feito com cirurgia ou radioterapia. “Felizmente, boa parte dos homens com o diagnóstico pode até fazer um tratamento conservador, que chamamos de acompanhamento ativo”, que é quando a doença está no início e por isso tem um caráter mais lento, destaca.

Após o tratamento, o paciente poderá diminuir o risco de recidiva se mantiver alguns cuidados. “Não fumar, fazer exercícios físicos, comer peixe, reduzir gordura e carne vermelha e emagrecer”, alerta. Essas mudanças de hábito favorecem o tratamento, enfatiza o urologista.

O que você está esperando para mudar seus hábitos de vida e se prevenir? Faça exames periódicos, você só tem a ganhar com isso.