Alimentação ajuda a manter bronzeado

Para conquistar um bronzeado bonito e uniforme só a exposição ao sol e os cuidados com a pele, que sempre deve receber camadas de protetor solar, não bastam. Uma alimentação balanceada e rica em betacaroteno também faz toda a diferença.

 O betacaroteno é um carotenoide, pigmento natural encontrado em plantas responsável, principalmente, pela cor laranja, amarelo intenso e vermelho presentes em frutas e legumes como cenoura, pimentão vermelho, abóbora, batata doce, beterraba, vegetais folhosos verde escuros (espinafre, couve), caqui, mamão, melão, melancia, damasco, goiaba, tangerina e manga.

Ao ser ingerido, o betacaroteno pode ser convertido em retinol (vitamina A) ou exercer ação antioxidante, explica Karin Klack, nutricionista do Hospital das Clínicas de São Paulo. De acordo com ela, de 60% a 75% do betacaroteno ingerido pode ser convertido em vitamina A. O alimento cozido oferece absorção melhor dos carotenoides em comparação aos crus, principalmente quando na mesma refeição houver fontes de lipídios.  Entretanto, ela avisa que se o cozimento das hortaliças for muito prolongado ocorrerá a redução da absorção devido à alteração de sua estrutura.

Uma boa dica para quem quer manter o bronzeado por mais tempo é consumir diariamente uma cenoura, um copo de suco de laranja com beterraba ou porções de folhas verde escuras. Qualquer tipo de pele se beneficia de uma alimentação equilibrada junto com boa hidratação, outra aliada na prevenção do envelhecimento cutâneo, na proteção da radiação ultravioleta e na manutenção da tonalidade bronzeada. A ingestão de água, além de evitar a desidratação, colabora para manter os nutrientes ativos nas reações metabólicas garantindo o bronzeamento perfeito.

Vale lembrar que os benefícios para o organismo por conta da ingestão de alimentos ricos em betacaroteno vão além de um bronzeado perfeito. Karin alerta que a carência desses alimentos pode ocasionar a cegueira noturna e redução da imunidade. “A ingestão de altas doses de betacaroteno é considerada segura, pois não está associada a nenhum efeito nocivo ao organismo, em qualquer faixa etária. O único efeito relatado com o alto consumo é o surgimento de uma tonalidade mais amarelada na pele, que desaparece com a redução de sua ingestão”, explica.