Acne e suas marcas têm cura

  Acne  pode gerar problemas emocionais, psicológicos e sociais em muita gente, abalando autoestima e dificultando relacionamentos. A chamada 'acne vulgar', especificamente, manifesta-se geralmente na adolescência e nos adultos jovens, quando aumenta a produção dos hormônios masculinos (também produzidos pela mulher em seus ovários).

  Esses hormônios estimulam determinadas glândulas à produção de maior quantidade de secreção gordurosa, que não consegue ultrapassar a abertura dos poros e acumula-se nos folículos pilosos, favorecendo a ação de bactérias. Nos casos mais simples - conhecidos como cravo - há apenas a obstrução, sem o aparecimento de bactérias.

  Mas sempre há cura, afirma o dermatologista Otávio Macedo. Nos casos mais leves, ele explica, é indicada a aplicação local de medicamentos. Já a acne inflamatória pode exigir antibióticos e, em casos mais avançados, são necessários medicamentos com uma substância denominada isotretinoina.

  Existe solução, inclusive, para as marcas deixadas pela acne, passíveis de remoção via laser. "Mas muitos pais não levam os filhos logo ao dermatologista, deixam a coisa correr e o problema pode tornar-se crônico", finaliza o médico, que dá muitas outras dicas no site www.acnetemcura.com.br.  A seguir, algumas delas:

- Hereditariedade, predisposição genética, alterações na produção dos hormônios sexuais, infecção por bactérias e estresse são considerados fatores capazes de gerar ou agravar a acne.

- Maquiagem adequada, masturbação, comidas gordurosas e chocolate não provocam acne. Já o açúcar pode estimular as glândulas sebáceas, que podem ser afetadas também por alguns medicamentos, disfunções hormonais, excesso de cosméticos e excesso de sol.

- A pele não deve ser lavada em demasia - no máximo duas ou três vezes ao dia -, pois acne não é sujeira. A esfregação deve ser evitada porque pode deixar a pele mais sensível.

- Além da acne vulgar, existem outros gêneros, como a chamada acne rosácea,  que acomete mais às mulheres, especialmente a partir dos 30 anos. A rosácea deixa a pela avermelhada e exige tratamento com lasers específicos.

Lembre-se: Procure um dermatalogista antes de iniciar qualquer tratamento!