6 dicas para comprar travesseiro ideal

Um bom travesseiro é fundamental não apenas para um sono repousante, mas também para evitar problemas como dores de cabeça, torcicolo e patologias na coluna. Como explica Jefferson Rodrigues, fisiologista e consultor em ortopedia do sono, o travesseiro deve fornecer sustentação para a cabeça, garantindo alinhamento de vértebras e discos intervertebrais, relaxamento dos músculos do pescoço e da região dorsal.  

Por isso, várias considerações devem ser feitas para a escolha do modelo ideal. "É preciso inicialmente ver se a pessoa se sente bem nele e, só depois disso, observar se cumpre suas funções anatômicas", destaca Rodrigues. Acompanhe algumas de suas dicas antes de trocar o seu:

  1. Quem dorme predominantemente em decúbito dorsal - de barriga para cima - deve usar travesseiro baixo e que acompanhe o contorno anatômico da coluna cervical. Já quem dorme de lado deve utilizar travesseiro que ocupe o espaço existente entre o ombro e o pescoço.

  2. O chamado 'travesseiro da NASA' - feito com viscoelástico - na maioria dos casos não tem densidade suficiente para a adequada sustentação da cabeça. Os poucos modelos desse gênero que fogem a essa regra têm preços elevadíssimos.

  3. O material de travesseiros atualmente com maior adequação ortopédica é o látex, mas muitas pessoas não se adaptam a ele por ser relativamente duro e, em alguns casos, desconfortável. Existem, porém, travesseiros nos quais o látex é combinado com o poliuretano, de modo a aliar características ortopédicas com o conforto.

  4. Travesseiros de pena de ganso, fibra de silicone ou flocos de espuma  são recomendados apenas para quem dorme de barriga para cima, pois de outro modo as espumas tendem a espalhar-se - ou as fibras a cederem -, deixando de ser preenchido o espaço entre pescoço e ombro.

  5. Travesseiros de espuma (feita em poliuretano) são boa opção para quem dorme de lado e gosta de modelos mais firmes. No entanto, retêm mais umidade - e consequentemente ácaros e fungos - e têm vida útil menor.

  6. Deve-se considerar também a higiene do travesseiro, que acumula muitos ácaros e fungos. Não se deve lavá-lo, pois isso aumenta sua umidade e se ele for posto para secar - ao sol ou em uma secadora - seu material perde capacidade de sustentação. Capas - que podem ser lavadas - diminuem o potencial de reprodução de ácaros e fungos, mas o ideal é trocar o travesseiro a cada dois anos.

Siga essas dicas e bom sono. Uma noite bem dormida é fundamental para a boa disposição no dia seguinte.

Gostou das dicas? Para encontrar colchões ou travesseiros em São Paulo clique aqui e no Rio de Janeiro aqui! Está em outra região? Clique aqui!
#PasseAntesNoiLocal