Muito além de história e gastronomia: a natureza é um bom motivo para visitar Tiradentes

A histórica cidade de Tiradentes, em Minas Gerais, é um polo da gastronomia, são cerca de 60 restaurantes com a culinária do mundo todo: japonesa, tailandesa, mexicana, portuguesa, dentre outros (sem contar o festival anual de gastronomia, um dos mais importantes do Brasil). 

Sua história também não precisamos falar muito. Igrejas como a Matriz de Santo Antônio, a segunda mais rica em ouro do Brasil, ou a Nossa Senhora do Rosário, que foi construída à noite pelos escravos, que transportavam ouro escondido, reúnem a rica história da mineração colonial brasileira. 

Mas Tiradentes tenta se reinventar como muito mais do que só história e comida. A seguir, o Dubbi, plataforma colaborativa de viajantes, seleciona bons motivos para visitar a cidade que você não vê por aí. 

Natureza selvagem

A oferta é grande. Que tal começar pela descida do rio Elvas, um passeio em botes infláveis que começa a uma fazenda a oito km do centro de Tiradentes. Depois, hora de fazer trilhas, e Tiradentes oferece algumas bem legais, como a do Carteiro e a da serra de São José. Ambas proporcionam vistas maravilhosas das serras ao redor e da pequena Tiradentes ao fundo. 

A serra de Sao José é como uma muralha enorme que margeia a cidade. Lá em cima tem a Calçada dos Escravos e vários mirantes pelo caminho. Só cuidado com o nível de dificuldade, mais avançado (são mais de duas horas até atingir o topo). 

As próximas duas atrações são também bem tentadoras. Primeiro a gruta da Casa de Pedra, um passeio pela bela caverna de Tiradentes, que fica na estrada que liga Tiradentes a São João del Rey. Lá dentro, morcegos, estalagmites e estalactites dividem a atenção dos visitantes com paredões rochosos que formam desenhos dos mais belos. Se você tem o espírito radical, dá para fazer rapel na parte externa, mas reserve com antecedência. 

E nem falamos ainda de cachoeiras. A do Mangue tem que passar pela trilha do Mangue, bem mais fácil que a trilha anterior: apenas meia hora de caminhada já chega em um lugar de água cristalina. A cachoeira do Bom Despacho nem trilha exige, está na beira da estrada. 

Outras duas maneiras de ter muito contato com a natureza é caminhar ou pela linha do trem (onde passa a Maria Fumaça que faz Tiradentes/São João del Rey, outro passeio muito recomendado), ou então andar a pé pela Estrada Real (antiga estrada que ia de Diamantina até Paraty e Rio de Janeiro, para escoar a produção de minérios do Brasil colonial. As cidades pelas quais a Estrada Real passava hoje têm placas e marcos indicando). Os dois trajetos têm cerca de 7 km. Faça-os com o dia claro, mas longe do sol forte do meio dia. 

E cavalgadas para o distrito de Bichinho (a 7 km de Tiradentes) completam o contato com a natureza em Tiradentes. Uma vez em Bichinho, aproveite o artesanato local, muito rico e variado. 

Ufa, por enquanto é só. Bem melhor do que só ver museus, igrejas e restaurantes, não acha?