6 praias desertas - e incríveis - no Guarujá

O Guarujá tem 27 praias, mas muitas delas são repletas de turistas que lotam a orla na alta temporada - caso da Enseada, Astúrias, Pitangueiras e Pernambuco. Mas a cidade do litoral paulista também abriga algumas praias desertas e paradisíacas. E são elas que o Dubbi, plataforma colaborativa de viajantes, mostram para a gente. Anote as dicas e boa viagem!

Praia Branca, Praia Preta e Praia do Camburi

Sim, são três em uma. Logo na chegada da balsa Bertioga-Guarujá, encontra-se a entrada da trilha que dá na Praia Branca. São dois caminhos possíveis para se fazer a trilha: um com pedras no chão e movimentado; o outro, na terra e vazio - e fácil de se perder na hora que a estrada se bifurca. Escolha o que mais te agrada e esteja preparado para cerca de meia hora de caminhada. Perto do fim, existem diversas opções de campings e pousadas a R$ 25 a estadia. Aprecie um marmitex por R$ 15, que vai matar a fome por um bom tempo.

O viajante estará primeiro na Praia Branca. A orla não é muito grande, mas a paisagem é encantadora. Ela não é abarrotada de turistas, mas também não é deserta. É fácil se deslocar até a ilha à direita - com a maré baixa, forma-se um caminho, com a maré alta a água bate na altura da cintura. Lá é perfeito para descansar na sombra próxima às pedras.

O descanso será necessário para seguir rumo à Praia Preta. A trilha para ela começa próximo da ilha, em um barzinho que aluga cadeiras e mesas a R$ 80. As duas praias parecem próximas uma da outra, mas a trilha é bem mais difícil do que a primeira. Se tiver chovido, prepare-se para muita lama no caminho - chinelos são vistos perdidos a todo instante. Há obstáculos como um tronco bloqueando o acesso - é necessário pulá-lo ou se arrastar para passar por baixo.

No entanto, as dificuldades valem a pena. A Praia Preta, ela sim, é quase deserta. Uma pequena queda d´água é ideal para tomar água doce e se refrescar do cansaço da trilha. O mar é forte e agitado, mas a água é de uma temperatura ideal. Você pode dormir no sossego de mais pedras e sombras ou se aventurar para a próxima trilha, rumo a Praia de Camburi.

No caminho até ela há uma cachoeira, que fecha com chave de ouro o circuito. Ainda mais deserta que a anterior, as águas da Praia de Camburi são tão agitadas quanto, tanto que ela virou um point escondido do surfe no Guarujá. A praia é dividida por uma grande pedra. Lá de cima é possível apreciar uma vista invejável - mas tome cuidado no momento de subir nela. Se não estiver seguro, não suba, a praia será gratificante do mesmo jeito. A segurança tem que estar em primeiro lugar.

Reserve um dia inteiro para conhecer todo o trajeto - o desgaste é grande. Exceto a Praia Branca, as outras não possuem vendas, então leve sua comida e bebida. Para voltar, na Praia Branca existem barcos saindo a todo instante - R$ 15 para Bertioga, R$ 20 para Guarujá.

Praia do Sangava

É uma praia tão pequena quanto deserta. São apenas 90 metros de extensão da orla. O nome, Sangava, vem do tupi-guarani e quer dizer alagado - isso porque a maré cheia forma uma piscina natural no local. A beleza da paisagem também é digna de nota: em todo o entorno há pedras e vegetação alta, sem contar as águas límpidas, calmas e sem poluição.

Se você gosta de mergulho, achou o lugar perfeito para a prática no Guarujá. Aos aventureiros de plantão, o passeio pode ser ainda mais radical visitando uma caverna submersa profunda, em que é possível ver corais e peixes que vivem na escuridão.

Existem duas maneiras para se chegar na Praia Sangava. A mais difícil é depois de uma hora e meia de caminhada, saindo do Bairro Santa Cruz dos Navegantes. Encare subidas e descidas íngremes em direção ao Morro dos Limões. Se o desgaste é grande, a natureza recompensa: pássaros e borboletas acompanham os viajantes pela trilha.

A segunda maneira é mais rápida. Saia de Santos, pegue a barca na Ponte dos Práticos, na ponta da praia sentido Praia do Góes. De lá, siga pela trilha, que é bem mais fácil que a primeira. Não tem vendas nem opção de camping.

Praia de Iporanga e São Pedro

De novo, são duas praias de uma tacada só. Elas estão situadas em condomínios fechados em meio a mata Atlântica, na Serra do Guararu. Por questões de sustentabilidade, o acesso a elas é controlado. Na Praia do Iporanga só entram 38 carros, e na Praia de São Pedro somente 70 veículos. A trilha que leva até elas é deslumbrante. O visual da praia não é diferente: areia branca e água cristalina em toda a orla.

A Praia de Iporanga tem 800 metros de extensão. A sua grande atração fica logo na chegada, onde há uma cachoeira que a diferencia das demais praias. Na Praia de São Pedro, o surfe é uma das atividades mais praticadas. O vento é bastante favorável para a prática desse esporte, principalmente de bem de manhã.

O viajante não precisa pagar nenhuma taxa para entrar no condomínio, porém é preciso chegar cedo para garantir a entrada. Vendedores ambulantes estão proibidos de circular nela, então leve sua mala térmica.

E não passe vergonha: os visitantes são instruídos a não jogar lixo na natureza.

Veja dicas de praias no Guarujá.

Deu vontade de viajar? Encontre agências de turismo em São Paulo clicando aqui e no Rio de Janeiro aqui! Em outra região, clique aqui!

#PasseAntesNoiLocal