Pedale pela cidade nas férias

Muitas cidades brasileiras, inclusive São Paulo, estão se tornando mais amigáveis às bikes. No entanto, o ciclista tem de ficar muito atento antes de sair pedalando por aí nas férias. Por isso pedimos dicas a Tiago Cassiano, morador de Santo André (SP), que pedala pelo menos 350 quilômetros por semana. Como colaborador da Federação Paulista de Ciclismo, ele dá as seguintes dicas para quem pretende adotar a bike como lazer e também meio de transporte.

1 - A escolha da bicicleta ideal começa na definição do tamanho do quadro e chega ao ajuste do selim. Antes, porém, de definir tais dimensões, o ciclista precisa conhecer a medida de seu 'cavalo' (nome dado à distância entre as solas de seus pés e a região do assento). Para saber o tamanho do quadro, basta multiplicar a medida do cavalo por 0,65. Por exemplo: se a medida do cavalo for  82 cm, a multiplicação por 0,65 resulta em 53,3. O quadro escolhido deve então ter 53 cm. Para saber a altura do selim, multiplique o resultado do cavalo por 0,883. O resultado assim obtido deve constituir a distância ente o centro da parte superior do selim e o centro do eixo do movimento central da bicicleta.

2 -  É importante dotar a bike de adesivos refletivos no quadro e nas rodas, e de iluminação dianteira e traseira (se possível também nas rodas).

3 - Para pedalar no asfalto, os pneus mais indicados são aqueles do gênero slick. Troque rapidamente os pneus se eles estiverem muito gastos e leve câmara reserva, espátulas, material de reparo e bomba.

4 - Capacete é item obrigatório. Alguns possuem adesivos e luzes que colaboram com a segurança do ciclista. O capacete deve ser afivelado de maneira correta, a fim de proteger bem a testa e a nuca.

5 - Luvas protegem as mãos tanto em caso de quedas quanto na necessidade de passá-las sobre os pneus para a retirada de sujeiras (inclusive cacos de vidros).

6 - Para a camisa, o ideal é escolher tecidos que mantenham a temperatura corporal e transportem do suor para fora da roupa, mantendo a pele seca. Existem shorts e bretelles - vestimenta própria para essa prática -, com forro e tratamento antimicrobiano, capazes de garantir elasticidade, mais amortecimento, melhor o desempenho, flexibilidade e conforto.

7 - Ciclistas devem obedecer às leis de trânsito, andando sempre do lado direito da pista. O ideal é manter-se sempre a uma distância mínima de um metro da guia. Sempre sinalize antecipadamente com as mãos qualquer movimento que fizer, como desviar de um buraco ou mudar de faixa.  E fique atento a carros parados, pois suas portas podem ser abertas repentinamente, e o ciclista chocar-se contra elas. Em caso de freadas de emergência, o freio dianteiro é mais eficiente, mas jamais deve ser travado, pois isso pode ocasionar queda do próprio ciclista.

8 - Muita atenção nas curvas - especialmente em ruas estreitas - e jamais entre a toda em uma rotatória, lembrando que nem todos os motoristas respeitam ciclistas, e que em caso de colisão estes geralmente são os mais afetados fisicamente.

9 - Se possível, evite grandes avenidas, buscando rotas alternativas. E respeite os pedestres, evitando andar sobre as calçadas.

10 - Saiba usar a marcha correta da bicicleta: passe uma de cada vez, sem forçar a corrente. No trânsito, melhor seguir uma cadência mais leve, para maior equilíbrio, e para escapar  do perigo mais rapidamente caso necessário. Quando aproximar-se de um semáforo, vá reduzindo a marcha à medida em que há essa aproximação, e fique pronto para a arrancada.

Importante também: não use fones de ouvido ao pedalar, você precisa ouvir o que está acontecendo ao seu redor. E em dias chuvosos a atenção deve ser redobrada. Use capas de chuva - se possível refletivas -, e ligue a iluminação da bike.