Chuveiro: elétrico ou a gás?

Depois de um dia intenso de trabalho ou após o termino de uma atividade física, nada melhor do que tomar um banho quente para se sentir pronto para um descanso merecido. Por isso, é importante acertar na escolha do sistema de aquecimento de seu chuveiro. Entre várias opções disponíveis no mercado, a principal diferença são os modelos com aquecedores elétricos e a gás, que possuem algumas vantagens e desvantagens. 

Sistema de aquecimento a gás

Esse sistema tem como grande vantagem a capacidade de trabalhar com maiores vazões de água. Logo, proporciona um banho com bom volume de água, gerando mais conforto e relaxamento. Além disso, se faltar energia em casa, você não terá de enfrentar um banho frio. Esse sistema proporciona aquecimento independentemente de haver eletricidade, o que pode lhe salvar principalmente em dias de inverno.

Uma das desvantagens dos chuveiros a gás é que a água fria fica acumulada nos canos e demora um pouco até que a temperatura se eleve. Outro ponto que pesa contra a escolha desta opção é o alto preço de instalação. Os modelos mais baratos custam, em média, R$ 900, incluídos os custos de instalação.

Além disso, é a alternativa menos econômica também na utilização. De acordo com estudo do Grupo de Chuveiros da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) e do Centro Internacional de Referência em Reuso de Água (Cirra), vinculado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), um banho de oito minutos com chuveiro a gás custa R$ 0,58, enquanto com o elétrico sai por R$ 0,22. De acordo com Fabian Yaksic, gerente do departamento de Tecnologia e Política Industrial da Abinee, essa diferença de custo é resultado do maior consumo de água. “Para aquecer a água, um chuveiro com aquecimento a gás leva, em média, de um a dois minutos, o que eleva o consumo do líquido em 4,5 litros por banho”, explica.

Sistema de aquecimento elétrico

Estes modelos esquentam a água mais rapidamente, o que os torna ideal para épocas de frio, quando as pessoas querem demorar o menos possível para entrar debaixo d'água.  Outro ponto a favor é a manutenção da temperatura durante todo o banho, sem oscilações desconfortáveis.

Segundo a Abinee, 70% dos brasileiros optam por ele.  Esse fato tem relação direta com os custos e a praticidade na instalação e também na utilização. É a alternativa mais barata entre as disponíveis no mercado e, apesar de consumir energia elétrica, costuma diminuir o consumo de água por demorar menos tempo para elevar a temperatura do banho. No entanto, quando falta energia na casa, o banho terá de ser gelado, pois não há eletricidade para gerar calor e aquecer a água.

“Essa preferência acontece, principalmente, em razão do preço. Um aparelho elétrico precisa de tubulação para a passagem de água e a fiação elétrica da casa. Nada mais que isso. Para a alternativa a gás, é necessária a construção de outra tubulação, o que torna a instalação muito cara e, em muitos casos, inviável, em função da estrutura da casa ou do apartamento”, comenta Yaksic.

Ambos modelos apresentam pontos positivos e negativos, mas na hora de escolher você deve levar em conta alguns fatores básicos, como as condições climáticas da região onde mora, o número de pessoas que tomam banho na sua casa e as condições que sua residência dispõe para a instalação do sistema de aquecimento do seu chuveiro.