Saiba qual leite é o mais indicado

Componente importante em nossa alimentação, o leite contém proteínas de alta qualidade que auxiliam no fortalecimento de ossos, músculos, cabelos, unhas e demais partes do corpo. Além disso, possui vitaminas A, B e D, ajudam a proteger os olhos, fornecem energia e combatem a anemia. Seus minerais favorecem o processo de cicatrização e melhoram o sistema imunológico. 

Entretanto, no mercado há várias opções que oferecem diversos tipos de benefícios e podem ser adequados para diferentes organismos. Pamela Miguel, nutricionista da Clínica de Nutrição Funcional de São Paulo, explica sobre as características e diferenças básicas das alternativas disponíveis e ajuda a definir qual leite é o mais indicado para sua alimentação.

Leite integral

É o leite que contém maior teor de gordura. Fonte de proteínas, gorduras e minerais, além de alto teor de água. “Apesar de questionada, a gordura presente no leite integral favorece a absorção de vitaminas e é fonte de minerais como cálcio e fósforo, importantes para a saúde óssea”, explica.

Segundo a nutricionista, o leite integral é indicado para crianças, gestantes e idosos, pois pessoas neste momento necessitam consumo maior de ácidos graxos, nutrientes importantes para formação e manutenção do tecido nervoso. Adultos saudáveis também podem consumir o leite integral. Já pessoas com problemas de colesterol e triglicérides devem preferir as versões com menor gordura.

Desnatado

Assim como o integral, é fonte de proteínas e minerais, além de alto teor de água. Porém, seu teor de gordura é reduzido (possui no máximo 0,5% de gordura). O leite contém minerais e vitaminas do complexo B, mas a absorção da vitamina D fica prejudicada devido ao baixo teor de gordura.

“O leite desnatado promove menor sensação de saciedade com relação ao integral, pois a gordura exerce essa função. Portanto, é um leite menos calórico, indicado para quem possui alterações de colesterol e triglicérides ou estão submetidos a uma dieta de baixa ingestão de gorduras”, analisa.

Semidesnatado

É considerado o “meio termo” entre as duas primeiras opções. Assim como os demais, é fonte de proteínas e minerais. O leite desnatado promove menor sensação de saciedade com relação ao integral, e maior em comparação com o desnatado. Da mesma maneira que a alternativa anterior, é indicado para pessoas com alterações nos níveis colesterol e triglicérides e são perfeitos em uma dieta de baixa ingestão de gorduras.

Leite de soja

De origem vegetal, é o tipo que apresenta maior quantidade de proteína, excelente para ganho e manutenção da massa muscular, sendo  boa opção para praticantes de atividade física. “As proteínas do leite de soja podem auxiliar na manutenção e fortalecimento do sistema de defesa do organismo, evitando quedas de imunidade”, informa a nutricionista.

Outro componente de destaque são as vitaminas do complexo B, fundamentais no processo de geração de energia do organismo. Além disso, pode ser fonte de isoflavona, o que contribui para a amenização dos sintomas da TPM e da menopausa. No entanto, Pamela Miguel faz um alerta para quem pretende tomar o leite de soja: “O consumo deve ser evitado por pessoas com problemas na tireoide, e, em grandes quantidades, pode prejudicar a absorção de alguns nutrientes”, acrescenta.

Leite de arroz

É a opção que apresenta sabor neutro e possui mais carboidratos do que o leite de vaca. Além disso, não contém lactose e colesterol, o que torna a digestão mais fácil, evitando desconfortos gástricos, como gases e inchaços abdominais. “Outra vantagem é que o leite de arroz reduz os índices de inflamação do organismo, o protegendo de algumas doenças. Também ajuda na perda de peso”, destaca.

E para quem tem intolerância à lactose?

Pessoas com leve intolerância podem consumir as versões com baixo teor de lactose presentes no mercado. Já as que possuem nível mais elevado de intolerância, ou mesmo alergia a alguma proteína, devem tomar leites vegetais como o de arroz, amêndoas, soja, aveia, entre outros.

Apesar de altamente benéfico e saudável ao nosso organismo, Pamela alerta que o consumo excessivo de leite de origem animal pode ser prejudicial, pois possui ação inflamatória, o que pode contribuir para o aparecimento de doenças. “O ideal é realizar um rodízio entre o consumo do leite de origem animal e os leites vegetais”, completa.

Última recomendação, porém, não menos importante: o leite deve ser consumido longe das grandes refeições, como almoço e jantar, pois o cálcio dificulta a absorção de alguns nutrientes importantes da comida.