Clubes de assinatura viram tendência

Já foi o tempo em que comprar produtos por sistema de assinaturas se resumia a jornais, revistas ou TVs. De uns tempos para cá, outros itens seguem o mesmo esquema de comercialização, como ração animal, pães, cervejas, bijuterias, meias, vinhos, flores, produtos eróticos, cosméticos, entre tantos outros. Embora ainda engatinhe no Brasil, é forte a tendência de crescimento e solidificação da venda dessa maneira. 

Nos Estados Unidos, por exemplo, receber produtos por meio de assinatura é um sistema bastante corriqueiro. Apresenta como vantagens a comodidade e facilidade de compra. Por outro lado, alguns consumidores abandonam o serviço porque os produtos enviados não correspondem à expectativa inicial, gerando frustração. Por isso, é sempre recomendável ficar atento às promessas feitas e as entregas realizadas pelas empresas.

“As pessoas gostam desse serviço porque não precisam sair de casa para fazer compras: é só assinar e receber todo mês", explica Bárbara Rezende, da Healthy Box, startup que oferece todos os meses o serviço de entrega de produtos selecionados por uma nutricionista e que trazem benefícios à saúde. Localizada em Belo Horizonte (MG), a empresa cobra valor fixo por mês para enviar, a cada 30 dias, uma seleção de sete produtos saudáveis. 

Com um ano de mercado, a Healthy Box já conquistou clientes de diferentes regiões do país e agora aposta na venda de produtos diferenciados em sua loja online. Na startup, cada mês tem um tema diferenciado e inclui sete produtos que prometem benefícios nutricionais e que podem ser transportados a longa distância. Fazem parte do kit barrinhas de cereais, sucos de soja, óleo de coco, farinha de frutas, chocolate amargo e doces com zero açúcar.

De acordo com Marck Krauze, da Five and a Half, empresa brasileira criadora do ezmall, aplicativo para celular (mobile commerce) que ajuda o usuário em suas necessidades diárias, a venda por assinatura é boa tanto para lojistas quanto para consumidores. Krauze tem expectativa de faturar R$ 7 milhões até 2015 e atingir os principais segmentos do varejo, como moda, calçados, artigos esportivos, joias, artigos de design e decoração, presentes finos, agências de turismo, entre outros.

Como, em geral, o conteúdo da caixa é uma surpresa, o consumidor vibra ao receber as remessas pelo Correio, esperando experimentar uma nova sensação a cada compra.