Capriche na escolha do vinho

Quem é amante de vinho sabe bem que, muitas vezes, trata-se do acompanhamento perfeito para um bom prato. Ao acertar na escolha, o prato ganha um toque especial. Cada vez mais, a bebida é encontrada em grande variedade no mercado e o interesse do brasileiro pelo vinho cresce ano após ano, tornando-o item comum nas mesas de diversos restaurantes.

Com tantos tipos à disposição, é natural que surjam dúvidas em relação à combinação de vinhos e pratos. Uma dica importante para as combinações é casar características semelhantes, por isso é bom prestar atenção em fatores como acidez, doçura, intensidade, temperos e aromas.

De acordo com Arthur Azevedo, diretor da Associação Brasileira de Sommeliers, a regra é simples: pratos leves devem ser servidos com vinhos leves. Pratos ácidos devem acompanhar vinhos leves e bem frescos. Já os gordurosos e untuosos precisam de vinhos com taninos mais potentes e acidez alta.

O especialista dá algumas dicas de harmonização que podem resultar em uma experiência prazerosamente inigualável:

Para acompanhar saladas

Caso a salada esteja temperada com limão ou vinagre balsâmico, a sugestão são vinhos leves e frutados, com boa acidez, como o Poderi del Paradiso Vernaccia di San Gimignano e o Brancott Estate Sauvignon Blanc. Outras opções que podem gerar sensações agradáveis são espumantes bem jovens, frescos e leves.

Frutas frescas

O sabor doce e ácido, além da textura de frutas frescas, são ideais para serem harmonizados com vinhos espumantes doces como Luigi Einaudi Moscato d'Asti e doces fortificados como Antonio Saramago Moscatel de Setubal Reserva. Neste caso, evite outros tipos de vinhos doces que possuam graduação alcoólica acima de 12%.

Pratos com molho de tomate

Pratos com esse tipo de molho geralmente são ácidos. Logo, o acompanhamento perfeito é o de vinhos frutados ou igualmente ácidos, como o Donatella Cinelli Colombini Rosso di Montalcino ou Antinori Pèppoli Chianti Classico.

Salmão, atum e peixes gordos de água doce

O ideal para acompanhar peixes com alto teor de gordura e sabores marcantes são os vinhos tintos e brancos. Detalhe importante é que, para essa ocasião, os tintos sejam leves e os brancos encorpados.

Sugestões:

Brancos com boa acidez - Albert Bichot Chablis ou Vinyes Domènech Rita.

Tinto frutado -  Greywacke Pinot Noir e Albert Bichot Château de Dracy Bourgogne.

Branco encorpado - William Cole Bill Chardonnay Limited Edition.

Com pizza

Para acompanhar pizzas com grande quantidade de queijo nada melhor que vinhos tintos leves e vinhos brancos potentes. Para a famosa pizza Portuguesa, ou opções que levam vegetais em geral, o indicado é harmonizar com tintos leves ou brancos de médio corpo.  

Já para pizzas de atum e as demais com peixes e frutos do mar, o melhor casamento acontece com brancos leves e rosados. As sugestões de Azevedo para estas coberturas são o Antonio Saramago Risco Branco ou Luis Pato Maria Gomes.

Por fim, para calabresa e embutidos com requeijão, os vinhos tintos formam excelentes pares. As opções recomendadas são o Dominique Piron Beaujolais-Village Domaine de La Chanaise e o Bodegas Patrocinio Lágrimas de Maria Crianza.

Com carnes

Carnes grelhadas e servidas com molhos leves vão bem com vinhos tintos jovens ou espumantes. Já as com molhos fortes pedem tintos maduros, de corpo médio a robusto. Por sua vez, as carnes de caça combinam com os tintos encorpados. No caso da costela, vinhos de uvas Malbec e Cabernet Sauvignon, de médio corpo a encorpados, são os mais indicados. Já a carne de porco cria uma excelente combinação com vinhos tintos complexos, como os da uva Pinot Noir, e também pode fazer sucesso casando um branco, como os da uva Riesling.

É bom lembrar que as dicas apresentadas não são regras, mas sugestões para tornar suas experiências de combinação entre vinhos e pratos especiais. A verdadeira recomendação é ser criativo, o que lhe permitirá encontrar novas descobertas de harmonização.