8 passos para se livrar das dívidas

  Estatísticas recentes demonstram a crescente quantidade de brasileiros endividados. E na atual conjuntura de juros altos e inflação mais acelerada, dívidas podem corroer rapidamente os rendimentos de pessoas e empreendimentos.

“Dívidas, na verdade, não são necessariamente ruins” observa Mauro Calil, planejador financeiro e especialista em investimentos do Banco Ourinvest. Afinal, elas podem advir, por exemplo, de um financiamento que provê os recursos necessários a um bom curso ou a outra atividade potencialmente benéfica para quem as realiza. "O problema acontece quando a pessoa perde o controle das dívidas e começa a financiar tudo: carro, roupas, refeições no cartão de crédito", alerta.

“Quem não quiser se endivida deve respeitar alguns limites: Até aproximadamente 20% da renda pessoal, as dívidas estão em um patamar razoável. Acima disso, acende a luz amarela. Quando atinge os 30% a luz já estará vermelha"  recomenda Calil. A seguir, o especialista compartilha um roteiro básico a ser seguido por quem pretende se livrar das dívidas. Confira:

  1. Inicialmente, liste suas dívidas, anotando quanto deve, para quem deve, quais os juros e outros encargos de cada dívida, quanto tempo ainda resta para quitá-las.

  2. Veja se tem algo que pode vender: uma moto que quase ninguém usa, um móvel antigo, uma coleção de vinil etc. A receita obtida com essa venda talvez seja muito significativa e pode colaborar com o processo.

  3. Se tiver algum investimento financeiro - poupança, fundo, ações -, utilize-os para reduzir e, se possível, zerar as dívidas, pois em geral os rendimentos proporcionados por eles são inferiores aos juros pagos aos credores.

  4. Usada a possível receita da venda de bens e dos investimentos para abater parte das dívidas, verifique seu limite de capacidade de pagamento, considerando que não pode deixar de destinar recursos a suas despesas básicas, como alimentação e moradia, por exemplo. Dependendo do tamanho da renda e do endividamento, o percentual que pode ser destinado à dívida irá variar.

  5. Comece então, a negociar individualmente com cada credor. Melhor será se conseguir abarcar todas as dívidas dentro de seu limite de pagamento. Caso contrário, priorize as dívidas que têm encargos mais elevados - muitas vezes, referentes a cartão de crédito e cheque especial – e, a partir daí, vá chegando às demais.

  6. Feito um acordo com o credor, respeite-o, pois o descumprimento significará a volta do problema.

  7. Pessoas que têm muitas dívidas talvez demorem algum tempo para se livrar delas e podem até ter o nome em um serviço de proteção ao crédito. "Isso pode não ser algo necessariamente ruim, pois impede alguém endividado de contrair mais uma dívida", observa Calil.

  8. Pode ser interessante um novo empréstimo para quitar várias dívidas, desde que tenha juros inferiores ao da soma dessas dívidas. Esse cálculo pode exigir a ajuda de um especialista em finanças.

        Converse com a família sobre esses problemas financeiros, pois será muito ruim passar por esse processo sem o envolvimento de todos. Afinal, para sair dessa situação será fundamental a colaboração geral.

Gostou das dicas? Encontre financeiras em São Paulo clicando aqui e Rio de Janeiro aqui. Está em outra região? Clique aqui!